Espírito de Natal não chega a todos

Numa altura de crise todos os pequenos gestos são importantes

Porque é que uns têm e outros não? É a pergunta que uma conhecida empresária do ramo da restauração deixou no ar. Em causa a ausência de iluminação típica do Natal junto ao estabelecimento do Velho Dragoeiro.

À semelhança do que acontece um pouco por toda a ilha, as gambiarras emprestam um colorido especial junto dos locais de convívio (cafés e restaurantes) pelo que Helena Goacher estranhou a ausência dessa instalação junto de um empreendimento que já recebeu diversos prémios locais, nomeadamente no Festival Rota do Atum, e várias referências no TripAdvisor.

Depois de quase uma década de dedicação à Ilha e ao Turismo, a responsável pela Casa do velho Dragoeiro só pede às entidades públicas o mesmo tratamento que está a ser dado aos outros empresários.

Numa altura tão dramática para os empresários “o que se pede é uma simples extensão de 60 metros de gambiarras com luzes coloridas”. Um pequeno gesto que pode fazer a diferença.

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Pai, o que é o jantar?

Ter Dez 22 , 2020
“Reconforto-me ao me lembrar que no dia seguinte eu ia ao Porto Santo depois de quase um mês “longe”. (Crónica de Elisa Freitas) Outro dia começa, desta vez sinto que vai ser bom ou que vou fazer por isso. Tenho aulas o dia todo novamente, tento meter na cabeça que […]