Um Natal diferente

“Espero que as pessoas aproveitem para pôr em prática os valores essenciais de uma sociedade digna desse nome”

(Artigo de opinião por Tiago Camacho)

Este 2020, no que diz respeito ao Natal, terá também a particularidade de ser diferente de todos os outros anos.

Os convívios devem ser medidos e contidos; não porque “o governo manda”, mas sim para segurança de cada um de nós. Por isso, teremos mesmo um Natal condicionado por um vírus que nos tem tirado o sossego e deverá assim continuar por mais um tempo.

“Que se lembrem do que custa não abraçar ou beijar aqueles que amamos,”

Espero, apesar destes tempos confusos em que vivemos, que as pessoas aproveitem para realmente pôr em prática os valores essenciais de uma sociedade digna desse nome: que se lembrem do que custa ficar longe dos seus ou então com menos família à sua volta, do que custa não abraçar ou beijar aqueles que amamos, do que custa ter menos convívios e sítios para visitar e socializar com os outros e, por fim, o custo da nossa tão prezada liberdade de fazer aquilo que mais gostamos. Ainda hoje não sabemos.

Como será o Natal?

Como será o Natal? E o depois? E o fim do ano? Que consequências teremos, caso não tomemos precaução nas festividades?

Este foi um ano que fomos postos à prova em diversas vertentes, relembrando, deveras, o que realmente é importante e que dávamos sempre como garantido.

Umas Boas Festas para todos e que a alegria do Natal Vos contagie durante todo o próximo ano!

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Valeu a pena? Tudo vale a pena

Sáb Dez 19 , 2020
Olhar para o Largo das Palmeiras e vê-lo a recuperar vida, cor e… porque não alegria, vêm-me à memória os versos de Pessoa. “Valeu a pena? Tudo vale a pena/ se a alma não é pequena” afirmou o vate a propósito da grande epopeia marítima dos portugueses que enfrentaram o […]