Tenhamos a ousadia de Sonhar – visão do futuro (parte 3)

“São as pessoas que constroem o futuro.”

(Crónica de Ana Castro Neves, Médica Especialista em Imunoalergologia)

Todos os tempos são difíceis e têm os seus desafios.

É necessário pensar o passado, planear no presente para construir um futuro melhor.

São as pessoas que constroem o futuro. É aquilo que cada um de nós faz que contribui para o desenvolvimento e progressão das nações e do mundo.

 “Se não conseguirmos recuperar a paixão compartilhada por uma comunidade de pertença e solidariedade, à qual saibamos destinar tempo, esforço e bens, desabará ruinosamente a ilusão global que nos engana e deixará muitos à mercê da náusea e do vazio. Além disso, não se deveria ignorar, ingenuamente, que «a obsessão por um estilo de vida consumista, sobretudo quando poucos têm possibilidades de o manter, só poderá provocar violência e destruição recíproca». O princípio «salve-se quem puder» traduzir-se-á rapidamente no lema «todos contra todos», e isso será pior que uma pandemia.” (Papa Francisco).

“Tenhamos a ousadia de sonhar”. Crédito fotográfico: Ana Castro Neves

Que o poder, a força, o sucesso, a visibilidade, sejam usados humildemente e colocados ao Serviço de todos, mas também daqueles que são invisíveis, dos que ficam à margem. Usem a visibilidade para ser a voz que se ergue contra as injustiças, as assimetrias sociais, a mão que oferece ajuda aos mais frágeis, que protege os mais desfavorecidos.

A vida é um caminho de peregrinação. Sejamos luz no caminho daqueles que se cruzam connosco. Tenhamos coragem para acreditar e construir um mundo mais justo, com espírito solidário e missionário.

“Reconheçamos que são as pequenas coisas, os detalhes, a atenção, os gestos simples de ternura, a gratuitidade fraterna, a bondade e gentileza das palavras, a partilha da dor e da alegria, a humildade que nos fazem Grandes e pessoas de sucesso.”

No último ano, a perda de um amigo fez-me perceber que a autenticidade da nossa existência e a nossa imortalidade reside no Amor Fraterno, que se atinge através da qualidade das relações e da fidelidade e lealdade dos vínculos que estabelecemos com os outros.

Sejamos sempre instrumento e incentivo de melhoria para o próximo. Acabemos com a dúvida que, ainda que de forma inconsciente, semeamos nos outros sobre a o seu valor e a sua importância… que ninguém se sinta abandonado, sinta ou pense “sou indiferente, não faço falta, não valho nada, não sou bonito(a), nunca serei amado(a)”.

Que tenhamos sabedoria para acolher a vida e a realidade concreta que nos é apresentada. Abandonemos o estilo de vida que é vazio e gera vazio, baseado nas aparências e na riqueza material, e reconheçamos que são as pequenas coisas, os detalhes, a atenção, os gestos simples de ternura, a gratuitidade fraterna, a bondade e gentileza das palavras, a partilha da dor e da alegria, a humildade que nos fazem Grandes e pessoas de sucesso.

Renovo os votos feitos há um ano e renovo a Esperança de que tenhamos a ousadia de SONHAR um mundo mais Fraterno e de juntos construirmos um futuro e um Mundo melhor.

Que o AMOR seja a força motriz da mudança que queremos ver no mundo.

(Nota do editor: Este texto pertence a uma reflexão maior que, com algumas adaptações, já foi publicado na revista Ímpar, do Público.)

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Novas cores na paisagem da Ilha

Dom Abr 3 , 2022
Há novas cores no Porto Santo: cor-de-rosa e azul! Não! Não se trata de distinguir meninas e meninos! São simplesmente as flores dos massarocos a anunciar a Primavera. Nas encostas de vários picos, jardins domésticos, ou beiras dos caminhos, as novas tonalidades têm-se espalhado pela Ilha à medida que os […]