Sofia Dias defende um PS plural

“Uma alternativa democrática que devolva condições de vida digna, aos porto-santenses”

A estrutura concelhia do Partido Socialista, na Ilha do Porto Santo, tem uma nova presidente – Sofia Dias.

A jovem advogada porto-santense sucede assim a Teresa Leão, após uma campanha bastante disputada. A concelhia do Porto Santo foi, aliás, a única estrutura, em toda a Região Autónoma, onde foram apresentadas duas moções, encabeçadas por duas militantes.

Ao jornal digital a Ilha, Sofia Dias traça como objetivo a “concretização da moção – Renovar a confiança para construir o futuro – com um PS rejuvenescido, plural, aberto à sociedade civil.” A garantia da lei da paridade e a ativação da juventude socialista local são duas tarefas que pretende concretizar.

Defensora da reorganização e modernização da estrutura socialista local, onde pretende “reforçar a participação dos militantes e simpatizantes”, a nova presidente da concelhia assume desde já o desafio das eleições autárquicas no próximo ano. De acordo com Sofia Dias, “o Porto Santo é uma ilha com condições únicas, mas precisa de investimento público estrutural, capaz de fazer face ao isolamento e ao subdesenvolvimento de há tanto tempo.”

Para o novo rosto da oposição política no Porto Santo, importa, agora, construir “um projeto autárquico credível, uma alternativa democrática que devolva condições de vida digna, aos porto-santenses”, referiu.

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Crónica de uma quarentena anunciada

Dom Dez 13 , 2020
“Portugueses de primeira, madeirenses de segunda” (Artigo de opinião de Luís Pedro Melim) Quantas e quantas vezes já não ouvimos o anterior e o atual Presidente do Governo Regional da Madeira a acusar o “Estado Central” de tratar os madeirenses como portugueses de segunda categoria? Quantas e quantas vezes se […]