Porto Santo XXI – Olhando de fora para dentro

(“É minha esperança que, num futuro próximo, exista um alargamento de horizontes por parte de todos; de forma a poder ser construído um Porto Santo com futuro para os que lá vivem”)

Crónica de Tiago Camacho (parte II)

Dou continuidade à crónica da semana passada, onde pergunta foi: regresso à ilha um passo atrás ou um avanço? E a resposta … passo atrás!

Porto Santo, oficialmente, é uma cidade, mas, apesar desse facto, nunca deixou de ser uma vila.

Esta é a minha visão, porque, apesar do desenvolvimento registado ao longo dos anos e que foi, de facto, evidenciado, ainda é uma “cidade pequena” com grandes lacunas de progresso; um acesso a bens e serviços deveras débil e com grandes dificuldades de ser, potencialmente, uma cidade digna de nome.

“a menos que exista uma mudança de mentalidades e comportamentos por parte daqueles que amam a sua terra, dificilmente serão dados os passos em frente, necessários”

Por isso, a menos que exista um projeto de Futuro, com bases sólidas e exequível, o regresso ao Porto Santo não poderá ser um avanço, para mim. Existe também um facto que “ajuda”, de uma forma negativa, a que tenha essa ideia: a mentalidade de terra pequena que é evidente na maioria da população e, até por vezes, de algumas pessoas que vivem fora, mas olham para a ilha de uma forma limitadora. O que muitos dizem – Porto Santo parado no tempo!

Tudo isto não abona a favor do desenvolvimento e, a menos que exista verdadeiramente uma mudança de mentalidades e comportamentos por parte de todos aqueles que amam a sua terra, dificilmente serão dados os passos em frente, necessários.

É minha esperança que, num futuro próximo, exista um alargamento de horizontes por parte de todos; de forma a poder ser construído um Porto Santo com futuro para os que lá vivem e se consiga fazer com que, como eu, quem pensa negativamente num regresso às raízes, esteja completamente errado.

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Quem cuida de ti, Porto Santo?

Sex Jan 15 , 2021
Porto Santo é uma ilha. Única! Porto Santo vive, pela sua própria natureza, isolado. Há 600 anos que é assim. Espera-se a chegada de um barco, ou de um avião com a mesma ansiedade de um noivo. A insularidade moldou a cultura, moldou as gentes, moldou a Ilha. Hoje, a […]