Porto Santo 21 – Olhando de fora para dentro

“Se tenho saudades? Se me arrependo? Se voltaria a correr para o Porto Santo?” Crónica de Tiago Camacho (parte I)

E pronto, estamos em 2021!

Mais um ano que se avizinha misterioso… Mas sobre isso falarei mais para a frente. Neste primeiro texto do ano, gostaria de falar sobre outro assunto.

Estou perto de fazer 2 anos (abril mais precisamente) desde que saí da ilha, em busca de outra estabilidade pessoal e familiar. Fazer pela vida, digamos assim. E é essa visão que gostaria de partilhar convosco.

Todos nós sabemos que quem vê de fora, muitas vezes, vê com outros olhos e possivelmente é o meu caso. Se tenho saudades? Se me arrependo? Se voltaria a correr para o Porto Santo? Tirando a primeira pergunta, as outras são difíceis de responder.

“As saudades são sempre grandes, especialmente daquelas pessoas que estavam ao nosso lado, diariamente,…”

As saudades são sempre grandes, especialmente daquelas pessoas que estavam ao nosso lado, diariamente, e que agora só por telemóvel ou redes sociais, mas… arrependimento e regresso? Difícil mesmo de responder.

Vivo a 15 minutos da Sé do Funchal, tenho shoppings, lojas, cafés, cinemas, etc. Tenho quase tudo ao meu alcance num raio de 1 a 2 kilómetros. Até transporte fácil para qualquer ponto da ilha, onde posso encontrar outras coisas, nomeadamente: natureza e paisagens (ótimo para uma escapadinha da cidade).

Vivo na mesma numa ilha é um facto, mas com outro tamanho, população, oferta de serviços e desenvolvimento. Agora regressar a uma ilha que, apesar de ser a ilha do meu coração (que me acolheu entre os meus 2 e 3 anos de idade e desde o dia 27 de setembro de 2001 até ao dia 11 de abril de 2019), tem grandes entraves ao progresso pessoal e lacunas a uma qualidade de vida constante, durante as diversas etapas da nossa vivência,… Seria, realmente, um avanço ou um passo atrás?

Continuarei na próxima crónica e até lá convido-vos, quem vive fora, dentro ou quem tem familiares fora da ilha, a refletir também.

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

2 thoughts on “Porto Santo 21 – Olhando de fora para dentro

  1. Boa tarde ,quando um jovem que sai de uma ilha para outra e fala assim ,imagine alguém que saiu da sua ilha há 48 anos e sempre que lá vai de férias se apercebe que a sua ilha não tem um hospital ,que lhe arrancam a natureza toda sem dó nem piedade ,e não a voltam a plantar que vê a cultura dos seus antepassados toda destruída
    que pensa essa pessoa ,! só aceita aquele que fica ,parando no tempo e nada aprendeu com a saída para outro meio maior e com outra cultura ,a cultura das pessoas da ilha é pouca ou nenhuma e nada fazem para melhor ,colocam presidentes por amizade ,pela cara ,e nunca quererem saber se é uma pessoa competente para governar a sua ilha ,uma ilha que nada dá de futuro aos jovens porque seus próprios pais estão feitos com presidentes que andam apoiar o governo da Madeira que nunca fez nada pela ilha ,senão para seu belo prazer. Será que é preciso ter muitos estudos para ver tanta estupidez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

J&R Cosmética Porto Santo vence concurso de vitrinismo AEPS

Qui Jan 7 , 2021
A montra da loja J&R Cosmética Porto Santo foi a vencedora do 1º concurso de vitrinismo, promovido pela Associação Empresarial do Porto Santo (AEPS). De acordo com a informação da AEPS, além da J&R Cosmética Porto Santo, foram destacadas a vitrine da empresa de venda a retalho Ilha Fresca (2º […]