Podengo do Porto Santo, um monumento natural

Podengo do Porto Santo. Crédito: Adriano Andrade

No século I a.C, o arquiteto Marcus Vitrúvio Polião definia uma obra de arte pela sua beleza, resistência e utilidade. Marcas que encontramos, ainda hoje, em pontes e anfiteatros romanos um pouco por toda Europa. Caraterísticas intemporais, talvez inspiradas na própria Natureza, como sucede quando observamos um animal como o podengo do Porto Santo: belo, resistente e muito útil. E, acrescenta quem sabe, um excelente cão de companhia.

“O animal é especial, porque tem características únicas entre os demais podengos que, de certeza, adquiriu devido ao isolamento do “nosso” Porto Santo. É especial, porque é o único cão do arquipélago da Madeira que merece e acredito que vá conquistar o reconhecimento de raça autóctone”, descreve Adriano Andrade.

Proprietários exibem com orgulho exemplares únicos.

Um reconhecimento que passa pela caraterização genética e pelo levantamento do número de exemplares existentes na Ilha. Uma tarefa a cargo de um conjunto de apaixonados da raça como a veterinária local, Sara Pinto da Silva, o ex-representante do Governo, José da Glória Rosado e o nosso interlocutor, Polícia Florestal, Adriano Andrade que se têm destacado na proteção, divulgação e promoção deste garboso animal.

Podengo do Porto Santo a acompanhar os caçadores.

Atestada está a sua presença na Ilha desde o final do século XIX, início do século XX, através dos trabalhos do fotógrafo Joaquim Augusto Souza que mostram alguns destes cães primitivos com características idênticas ao atual podengo do Porto Santo. Bem como pelo testemunho de pessoas mais velhas que se lembram de haver,”desde sempre, esta “qualidade” de cães (que é como referem a raça), que os avós já os tinham! Havia até de cor preta, inclusive! Mas a maior parte eram amarelos, vermelhos, bragados (castanhos e brancos) e brancos…”, conta Adriano Andrade.

Com caraterísticas únicas, este monumento natural do património porto-santense, por diversas vezes ameaçado de extinção ou adulteração, impõe cuidados especiais para a sua preservação.

Exibição do podengo do Porto Santo

“A valorização do Podengo do Porto Santo, reforça Adriano Andrade, será feita quando tiver um valor monetário, como têm outras raças, este cão que tem grande aptidão para caça, tem igualmente outras funcionalidades, como cão de guarda e companhia”.

Numa Ilha que se orgulha do galardão de Reserva da Biosfera, o podengo do Porto Santo poderá constituir-se como elemento de charneira entre a Biologia, a Economia, o Turismo e a História. Um fator de atratividade e orgulho pelos séculos de história e singularidade das formas e personalidade.

Onde há coelhos há podengos

Com uma presença que remontará aos primórdios da colonização da Ilha, o podengo do Porto Santo está indissociavelmente ligado a outro animal icónico do Porto Santo – o coelho bravo.

Esta certeza, conhecida dos caçadores, poderá atestar a própria antiguidade do podengo do Porto Santo, cuja origem está envolta em mistério.

” Sabemos que houve introdução do coelho bravo por ordem de Bartolomeu Perestrelo, em 1418, em que lançou um casal de coelhos sendo que a coelha já estaria prenhe…Pois bem os coelhos proliferaram e tornaram-se muitos e uma das fontes de proteína da ilha… “. E apoiada nesta história aventa-se a hipótese da introdução do canídeo por piratas, “toda a gente ouve contar que a Ilha era, por diversas vezes, atacada por piratas mouros (fenícios) que ao “visitarem” a Ilha poderão ter reparado nos coelhos e ter trazido com eles cães para os caçar; além de saquear a população, terão, nas diversas vezes que nos visitaram, deixado para trás estes cães primitivos que se suspeita serem de origem egípcia.”

Atualmente, existem três variedades: podengo pequeno, podengo médio e podengo grande, geralmente utilizadas na caça de animais de porte idêntico, como sucedia com podengo pequeno, que, diz-se, esteve presente nas caravelas portuguesas como caçador de ratos, acompanhando as expedições e evitando a propagação de roedores.

O podengo do Porto Santo, afável e inteligente

Reconhecido pela sua inteligência e energia, o podengo foi utilizado não só na caça em matilha, mas também como cão de guarda, pelo seu caráter fiel, mas sem a agressividade de outros canídeos.

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

One thought on “Podengo do Porto Santo, um monumento natural

  1. Artigo muito interessante sobre o projecto de recuperação do único grupo racial canino da Região Autónoma da Madeira . Antigamente existiam cães de fila, pastores, mas desapareceram, não era o caso dos Açores onde se conservam ambos ate hoje o Fila e Pastor. Gostarei de saber um dia que pelo menos o Podengo de Porto Santo atinge o galardão de raça autóctone oficialmente reconhecida . Será a primeira raça utóctone de animais domésticos reconhecida na Região Autónoma da Madeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Aos ombros dos gigantes

Sáb Ago 7 , 2021
“Porto Santo não é só praia!” – afirmava há tempos um conhecido fotógrafo madeirense. Miguel Moniz legendava assim uma soberba fotografia da família que, por cenário, tinha a – não menos soberba – imagem da Levada do Pico do Castelo. Senhora de uma paisagem com uma beleza singular, a Levada […]