Pico do Concelho – 324 metros de serenidade

Os picos proporcionam uma visão diferente da Ilha

O Pico do Concelho na Ilha do Porto Santo ergue-se a 324 metros de altitude. Nem sequer é o maior da Ilha. Atrás de si ergue-se, enorme, o Pico Branco e a Terra Chã (450), à sua frente o Pico da Gandaia (484), o imponente Pico do Facho (516) e o icónico Pico do Castelo (437).

Mas a sua posição estratégica, sobranceira ao mar, proporciona uma vista extraordinária sobre toda a costa Este da Ilha e, curiosamente, sobre o centro do Porto Santo. À distância as casas são minúsculas e o cais é um pequeno risco negro a cruzar a areia amarela e o azul do mar.

” Limpa toda a maldade”

Do topo do Pico do Concelho, a Natureza surge em todo o seu esplendor. E se tivermos a sorte de ser abençoados por um dia solarengo, podemos mesmo avistar a Ponta de São Lourenço, ao longe, envolta em bruma.

É uma visão única. Respirar fundo o ar fresco matinal, sentir o sol e observar o verde que por estes dias cobre as encostas dos vários maciços é uma dádiva. O cansaço e a dureza da subida ficam para trás. “Limpa toda a maldade!”, como afirmava o guia que nos conduziu ao topo do Pico do Concelho.

Viagem pelos sentidos e pela História

A Ilha do Porto Santo é, por estes dias, o paraíso das caminhadas – a pé ou a cavalo.

Um passeio a cavalo pode ser uma opção

Se os tradicionais passeios pela praia não atraem os nossos leitores, então recomendamos um passeio a cavalo ou, para aqueles com um espírito de aventura mais aguçado, uma caminhada num dos vários picos da Ilha. Existem diversos percursos recomendados, mas com a ajuda de um bom guia é também possível partir à descoberta. Passear simplesmente. Durante duas a três horas descobrir a riqueza da fauna porto-santense, onde se destacam as aves de rapina e os coelhos, ou a rica vegetação, onde o massaroco é rei.

Os vários exemplares de massaroco impressionam pela sua dimensão

E viajar na História ao avistar um posto de vigia da baleia ou os muitos poios que ainda permanecem e se estendem até ao topo dos picos, numa celebração da força e resiliência dos antigos porto-santenses.

Os muros são trabalhos de gigantes

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

O Porto Santo é dos Porto-santenses

Ter Dez 29 , 2020
“Foi criada com o intuito de denunciar o que está bem ou o que está mal, na Ilha.” (Artigo de opinião de de António Melim) Chamo-me António Melim, nascido e criado no Porto Santo; como muitos outros, vi-me forçado a imigrar; saí da Ilha a 14 de Dezembro de 2010 […]