Matamorras do Baiana – duas dezenas de arqueólogos à espera de uma chamada

Empresas de arqueologia da Madeira defendem estudo das matamorras

A notícia do achamento de três matamorras no edifício Baiana fez agitar o mundo da arqueologia na Madeira.

Não sendo um achado surpreendente (a existência de matamorras na envolvente da Igreja de Nossa Senhora da Piedade era uma certeza popular), a presença dos silos de armazenamento de cereais assume-se como um achado arqueológico de elevado valor, embora os profissionais do sector temam pelo seu futuro.

“Importa mudar o paradigma de encarar a arqueologia como obstáculo e ver os achados arqueológicos pelo seu tremendo potencial histórico e como um produto turístico de valor acrescentado”, referiu fonte consultada pelo jornal A Ilha. “Considerar que «a obra não fica comprometida»” é desvalorizar a imensa riqueza patrimonial que aquelas estruturas podem acrescentar à História da Presença Humana no Porto Santo”, acrescentou, em comentário à notícia do Diário de Notícias de hoje.

Ainda de acordo com a mesma fonte, existem pelo menos 17 profissionais da arqueologia preparados para realizar um estudo cuidado e aprofundados das matamorras, capazes de apoiar a equipa de técnicos de arqueologia do Governo, cuja existência desconhece.

“A Câmara negligencia de forma grosseira o património”

A defesa do património foi tema de campanha em 2017. Crédito: Funchal Notícias

Com uma riqueza arqueológica ímpar, a descoberta das três matamorras na sala interior do antigo restaurante Baiana, vem levantar a questão da necessidade de uma equipa em permanência na Ilha.

Este era, aliás, um dos temas de campanha do atual executivo camarário que, em agosto de 2017, considerou haver “uma fraca liderança, por parte da presidência da Câmara, que negligencia, de forma grosseira, o nosso património”. De acordo com a candidatura Porto Santo de Verdade, a conservação e recuperação “de moinhos, matamorras, noras e fornos de cal, bem como (…) os muros de protecção de pedra das nossas vinhas e zonas agrícolas” seria uma realidade, como dava conta a edição de 11 de agosto do jornal digital Funchal Notícias.

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Orçamento Participativo do Sporting já está no terreno

Seg Dez 14 , 2020
Já está no terreno a placa que anuncia as obras do projeto Clube Cá Fora. Recorde-se que o Projeto Clube Cá Fora, apresentado pelo Sporting Clube do Porto Santo, foi o projeto vencedor do Orçamento Participativo de 2019. 283 votos garantiram uma verba de 50.000 euros à coletividade da Ilha […]