Fósseis a descoberto no Porto Santo

Fósseis descobertos na Ilha. Crédito: Álvaro Mendonça

As recentes chuvas que assolaram a Ilha do Porto Santo puseram a descoberto fósseis de gastrópodes terrestres de grandes dimensões.

As conchas dos animais, vulgarmente conhecidos por caracóis surpreendem pela sua dimensão.

A descoberta, cuja localização foi mantida em segredo para evitar a predação humana, só foi possível graças à erosão provocada pelas escorrências que colocaram a descoberto uma dezena de fósseis, extremamente bem preservados.

Ilha possui exemplares únicos

Fósseis de grandes dimensões indiciam riqueza do habitat. Crédito: Álvaro Mendonça

Leiostyla ferraria, leptaxis nivosa nivosa, craspedopoma mucronatum. Com dificuldades em pronunciar estes nomes? São apenas alguns exemplos das 116 espécies de caracóis existentes na Ilha do Porto Santo. 97, de acordo com os estudos de malacologia mais recentes, são mesmo espécies endémicas.

Embora não faça parte da gastronomia tradicional porto-santense (ao contrário de outras regiões), o caracol é muito importante do ponto de vista da biodiversidade, como representante da saúde do ecossistema e como testemunha das alterações que a Ilha sofreu ao longo de milhões de anos.

Dada a sua vulnerabilidade, uma percentagem significativa dos endemismos de caracóis existentes na Ilha encontra-se registada na lista vermelha de espécies ameaçadas a exigir proteção.

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Porto Santo XXI – O isolamento/ignorância de um povo - parte I

Qua Fev 10 , 2021
“Nós somos aquilo que queremos ou que aceitamos ser.” (Artigo de opinião de Tiago Camacho) Pelo título, estarão a pensar que falarei nos transportes, ou, então, nas medidas de prevenção da Covid-19, mas não. Falo mesmo no isolamento constante e infligido/negligenciado, por parte das entidades e aceite como “normal” por […]