Curva perigosa no Farrobo faz mais uma vítima

Mais um acidente. Crédito: Tito Neves

Mais um. Hoje, registou-se mais um grave acidente no Sítio do Farrobo.

O acidente de viação, seguido de capotamento, ocorreu junto ao entroncamento que próximo da Quinta da Tamargueira e da antiga Escola Primária do Farrobo. Um local onde já se registaram vários acidentes. Alguns com gravidade.

O relato da ocorrência chegou através de um cidadão porto-santense, residente no local, preocupado com a elevada frequência de acidentes naquela curva. “Esta noite, por volta da 01h15m, uma viatura circulava na Estrada Regional, Vila-Camacha e, ao chegar à curva, por razões que se desconhecem, entrou dentro da valeta, embatendo com alguma violência num tubo que serve de escoamento das águas pluviais, capotando de seguida. Do acidente saiu ferido o condutor da viatura” registou Tito Neves. Ainda de acordo com esta testemunha, “o sinistrado foi assistido no local e encaminhado para o centro de Saúde pelos Bombeiros Voluntários do Porto Santo, com alguma gravidade. A viatura ficou com danos avultados, parcialmente destruída.” Tito Neves deixou um alerta para a armadilha que representa aquele local, “É de realçar que neste local já houve vários acidentes. Todos eles pelo mesmo motivo: é uma curva e uma valeta que tem uma profundidade de cerca de 40 cm. As bermas não está sinalizadas, demarcadas com linha longitudinal contínua de forma a chamar a atenção dos condutores para a sua largura. Qualquer descuido, o rodado entra dentro da valeta, embatendo de seguida na tubagem, provocando interrupção, despiste ou capotamento e danos graves nas pessoas e veículos intervenientes.”

Não é por falta de aviso ou de acidentes

Uma curva, uma valeta profunda: a fórmula perfeita para os acidentes

O acidente desta madrugada não foi o primeiro acidente grave naquele local, nem faltaram alertas para o perigo daquele local.

Ainda recentemente, um jovem casal, numa motorizada, sofreu um acidente com alguma gravidade, obrigando mesmo à hospitalização dos sinistrados. Na ocasião a estrada estava em obras.

Já Tito Neves confessa-se cansado de alertar para aquela armadilha rodoviária. “Já chamei à atenção das Entidades responsáveis, já levei este assunto, várias vezes, às reuniões públicas Camarárias e as repostas é “que se vai ver”. Entretanto vai-se dando azo a outros acidentes e quando houver uma desgraça maior, é que se vai resolver o problema.”, alertou!

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Lições do ano que agora termina

Sex Dez 11 , 2020
“Dar valor ao que realmente tem valor” Crónica de Tiago Camacho Chegando ao final do ano, é sempre bom fazer uma revisão daquilo que se passou. Essa revisão é essencial e necessária para a construção de um plano para o que virá. Este, para mim, foi um ano de fim […]