Crianças, venham para a rua andar de bicicleta

Escolinha de Ciclismo do Ginásio Clube do Porto Santo já trabalha. Crédito: GCPS

O repto lançado por Bruno Rodrigues marca o início das atividades da Escolinha de Ciclismo do Ginásio Clube do Porto Santo.

Empenhado em revitalizar uma modalidade com tradição na Ilha, Bruno Rodrigues acedeu a apresentar o seu projeto. Uma ideia que envolve atletas desde os 5 anos a mais de 40.

A Ilha – Como surgiu a ideia de criar uma Escolinha de Ciclismo, no Porto Santo?

Bruno Rodrigues – Mal iniciámos o projeto da Equipa de Ciclismo, era nosso objetivo começar o projeto da Escola de Ciclismo. Faz todo o sentido apostar na formação, pois será o futuro da modalidade.

Mas só em 2020 é que a Federação Portuguesa de Ciclismo realizou um curso de treinadores na Região. Aproveitámos o facto de as competições estarem paradas e, eu e a Professora Vânia Morgado, realizámos a devida qualificação técnica obrigatória para dar inicio ao projeto das escolas. A Associação de Ciclismo da Madeira também deu o seu contributo adquirindo algum material para as gincanas.

Sob o olhar atento dos monitores, o treino de equilíbrio sobre duas rodas. Crédito: GCPS

A Ilha – Já iniciaram atividades? O que têm feito?

Bruno Rodrigues – Iniciámos as atividades no início deste mês. 

Começámos por fazer algumas gincanas com obstáculos simples, para aferir o nível dos jovens e combinámos com trabalho de preparação física geral.

Vamos aproveitar as nossas valências do crosstraining e combater a especialização precoce dos atletas.

Além de andar de bicicleta, os nossos jovens atletas irão trabalhar todas as capacidades físicas, nomeadamente: a resistência cardiorrespiratória, resistência muscular, força, flexibilidade, potência, velocidade, coordenação, agilidade, equilíbrio e precisão.

A Ilha – Qual/quais os objetivos para este ano?

Bruno Rodrigues – O nosso principal objetivo para já é que as crianças venham connosco para a rua, que aprendam a brincar e a divertir-se com a bicicleta, de uma forma segura.

O nosso objetivo passa também por preparar os jovens atletas para participarem, já em 2021, no Encontro Regional de Escolas de Ciclismo na Madeira e de participarem na prova no Porto Santo, em outubro, organizada pelo nosso Clube em conjunto com a Associação de Ciclismo da Madeira.

A Ilha – O que é necessário para se ser atleta da Escola de Ciclismo do Ginásio Clube do Porto Santo?

Bruno Rodrigues – Basta ter entre 5 a 10 anos , ter bicicleta e realizar a inscrição no GCPS.

Vencer os medos na Escolinha de Ciclismo. Crédito: CGPS

A Ilha – Que mensagem deixa aos pais que estão indecisos na escolha de um desporto para os filhos?

Bruno Rodrigues – Em primeiro lugar que esqueçam a teoria que os meninos só devem jogar à bola e as meninas só devem ir para a dança.

Atendendo à nossa dimensão e à oferta de modalidades, o Porto Santo está bem servido.

 Agora, com pandemia, mas também com o decréscimo da natalidade, as modalidades que mais aconselho e que devem ser aposta para o futuro são as modalidades ditas individuais, de exterior e que são consideradas de baixo risco: ciclismo, atletismo, natação, vela, padle surf, ténis, padel, golfe, etc.

Aos atletas e sobretudo aos monitores, o jornal digital A Ilha deixa votos de muito sucesso para o projeto da Escolinha de Ciclismo do Ginásio Clube do Porto Santo.

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Miguel Brito defende melhorias na Educação

Qui Abr 8 , 2021
Mais terapeutas, melhores condições foram as reivindicações de Miguel Brito, hoje, na Assembleia Legislativa Regional. O deputado socialista denunciou, durante o debate, a falta de professores na Ilha,sobretudo na área da Educação Especial. “Importa criar condições de colocação de professores e de todos os técnicos necessários desde o início do […]