Caminhar sobre as águas

Last Updated on 11/23/2020 14:25 by Carlos Silva

Uma imagem vale 333 palavras

17.29′. Baía do Porto Santo, temperatura – 20º.

Um homem caminha sobre as águas em perfeita harmonia, numa tarde amena de novembro…

Porto Santo, teu nome te fica bem!

Todos os dias, na Ilha do Porto Santo, testemunhamos “pequenos” milagres:

  • uma chuva que cai repentina, após meses de ausência;
  • um jovem que salta de skate, em manobras impossíveis, junto ao cais, escapando à tirania das novas tecnologias;
  • uma mãe que se despede do seu filho à porta da escola e corre para o emprego, 12 horas de trabalho duro, por um salário de menos de 700 euros;
  • um funcionário da Câmara que mantém impecável o jardim, apesar do sol inclemente;
  • um goivo-da-rocha que cresce solitário numa parede… de rocha;
  • um empresário que dispõe a esplanada, sem medo, apesar da pandemia;
  • e o grupo de amigos, que se reúne à sexta, para celebrar a vida, em torno de uma cerveja preta, no Girassol;
  • uma horta abandonada que ganha nova vida pelas mãos do professor que sonha recuperar o chícharo;
  • um coelho que corre pelo trilho do Pico Castelo e salta a esconder-se na tamargueira; foge dos caçadores; será a garantia da continuidade da espécie;
  • uma jovem palmeira que escolhe nascer num Largo que as autoridades insistem em manter despido (inúteis!);

Porto Santo, teu nome te fica bem!

O nome fica-lhe bem, apesar dos atropelos, não é assim, leitor(a)?

apesar do plástico abandonado na rua; o restaurante fechado, o edifício abandonado, o pai de família despedido, o acidente na Lapeira, o elefante da canábis no meio da sala,…

Porto Santo, teu nome te fica bem!

Por isso, numa tarde amena de novembro, caminhar sobre as águas, entre a incerteza da vaga e a beleza natural da baía, não é assim tão inusitado. A Ilha há mais de 600 anos que atrai e sustenta aqueles que a demandam. Não sem exigir sacrifícios, por vezes lágrimas de sangue.

Porto Santo, teu nome te tão fica bem!

E o homem que caminha nas águas celebra a resiliência e a vontade indómita dos teus filhos!

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Uma árvore não faz a floresta

Seg Nov 23 , 2020
Last Updated on 11/23/2020 14:25 by Carlos Silva Há também as plantas! E a Ilha do Porto Santo tem exemplares únicos! Que importa preservar! Por esse motivo é que hoje, dia 23, se assinala o Dia da Floresta Autóctone. Ocasião para promover a importância da conservação das florestas naturais, das […]