Caçadores recolhem duas centenas de animais mortos

Animais atingidos são enterrados para evitar propagação da doença

Um grupo de caçadores reuniu esforços para combater a pandemia que se abateu sobre os coelhos na Ilha.

Aquilo que começou com a descoberta de apenas três exemplares mortos, durante uma ação de correção do efetivo nas proximidades do campo de golfe, há uma semana atrás, tornou-se uma pandemia. A doença hemorrágica viral está, de novo, a dizimar a população de coelho na Ilha.

Numa luta contra o tempo, uma dezena de amantes da caça recolheu, no dia de hoje, 210 cadáveres.

“Não gosto de pensar de forma negativa, mas se continuar a alastrar desta forma – pois pelo que sei a pandemia já se encontra no Pedregal e Pico do Facho – não tarda a chegar à Serra de Dentro, e aí estará o caldo derramado,” contou João Valério, com a voz embargada pela tristeza.

“Sempre que pudermos, estaremos no terreno”, afirmou João Valério, com a voz embargada.

Questionado acerca de futuras iniciativas de limpeza e prevenção da propagação, Valério não hesitou, “o meu grupo continuará reunir-se. Como todos trabalhamos, só poderá voltar atacar no fim de semana, infelizmente. Mas sempre que pudermos estaremos no terreno!”.

Apesar de cansado e entristecido pela morte dos animais, João Valério não baixa os braços e afirma-se disponível, com o seu grupo, para colaborar com as autoridades florestais, para evitar a propagação da doença, “quem gosta de animais e ama o desporto que é a caça é assim”, concluiu.

Amantes da caça procuram evitar propagação

João Valério deixou ainda um elogio à Associação de Caçadores da Madeira, pela disponibilização da cal hidratada.

Carlos Silva

Depois de uma viagem tranquila, mergulhado num mar de dúvidas, aportei a 2 de setembro de 1999, à Ilha do Porto Santo! À chegada, uma doce e quente onda de calor, qual afago de mulher amada, assaltou-me, até hoje! Do sucedido de então, até aos dias de hoje, guardo-o na memória; os sucessos, de hoje em diante, aqui ficam, para memória futura, da minha passagem pela Ilha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Next Post

Porto Santo XXI – Os “tachos” do Porto Santo

Qua Fev 17 , 2021
“Sabemos bem os efeitos do falatório e do «diz que disse» em terras pequenas.“ Esta semana, a minha crónica seria a continuação da última. Porém, dado ter recebido informações sobre “situações hilariantes” que se têm passado na ilha, mas, no fundo, completamente absurdas para qualquer pessoa de bem, aproveitei para […]